Safra de grãos poderá ter queda em 2020, afirma IBGE
Divulgação/Reprodução

Apesar da expectativa do avanço, mediante influência do governo, por meio de incentivo ao aumento de áreas cultiváveis, a safra poderá não obter, de fato, um aumento. Pelo contrário, e devido ao investimento em adaptação de solos, compras de máquinas, ou mesmo compra de novas terras pelos produtores, manter uma política de contingência de seus gastos, deixando, de certa forma, os investimentos em próximas colheitas em segundo plano talvez fosse a prioridade do momento.

A safra nacional de grãos deve somar 238,5 milhões de toneladas em 2020, segundo o primeiro prognóstico do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), divulgado hoje (13) pelo IBGE. Isso corresponde a uma redução de 1% em relação à colheita estimada para 2019, uma diferença de 2,3 milhões de toneladas. Apesar da queda, essa é a segunda maior estimativa da série histórica iniciada em 1975, ficando atrás somente de 2017 (240,6 milhões).

A redução decorre, principalmente, da menor produção prevista para o milho (-7,5%), enquanto para a soja espera-se um crescimento de 4,7%. O primeiro prognóstico de milho estima uma produção de 92,7 milhões de toneladas no próximo ano, o que representa uma redução de 7,5 milhões de toneladas em relação a 2019. O levantamento mantém a tendência de um maior volume de produção do milho em segunda safra, com 72,4% de participação na produção nacional para 2020, contra 27,6% de participação da primeira safra de milho.

Para o pesquisador do IBGE, Carlos Barradas, a conjuntura não é tão benéfica para a segunda safra de milho em 2020 quanto a de 2019. “O ano agrícola iniciou-se de forma normal, com o plantio da soja sendo realizado, em sua maior parte, na segunda quinzena de outubro, portanto, a janela de plantio para o milho segunda safra deve ser mais restrita”, disse ele.

Já a produção de soja deve crescer 4,7% em 2020, chegando a 118,4 milhões de toneladas. A área a ser plantada com o grão deve ser de 36 milhões de hectares, aumento de 0,7%. Dentre os maiores produtores, o Mato Grosso, estima colher 31,4 milhões de toneladas, declínio de 2,4% em relação a 2019, apesar de aumento de 0,4% na área a ser plantada. O Paraná, segundo maior produtor, espera produzir 19,8 milhões de toneladas, aumento de 22,6%, recuperando-se de um 2019 em que teve sua safra comprometida pela estiagem durante o ciclo da cultura.

Em 2019, safra deve ter novo recorde

O IBGE divulgou hoje, 13/11,  que a safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas deve atingir um novo recorde de 240,8 milhões de toneladas ainda em 2019, sendo 1% maior que a de 2018, com 2,4 milhões de toneladas a mais produzidas. O resultado também representa uma alta de 6,3% em relação à produção do ano passado.

O aumento foi puxado pelo milho que deve ter uma produção recorde de 100,2 milhões em 2019 (25,9 milhões de toneladas de milho na primeira safra e 74,3 milhões de toneladas de milho na segunda safra), o que representa um aumento de 23,2% frente a 2018. “Houve uma conjuntura de preços que incentivou o plantio do milho de segunda safra. O clima também se comportou de forma favorável”, comentou Barradas.

Outro grão que deve bater um recorde da série história do IBGE é o algodão. Na safra deste ano, a produção deve chegar a 6,9 toneladas, um aumento de 39,7% na relação com o ano anterior. Segundo o pesquisador do IBGE, o aumento no plantio do grão ocorre em função da melhora nos preços.

Por outro lado, a soja e o arroz, outros dois carros-chefes da produção agrícola nacional, reduziram a colheita. A estimativa do IBGE aponta para uma produção de 113 milhões de toneladas de soja em 2019, o que o que representa uma retração de 4,1% em relação ao ano passado. Já o arroz teve queda na produção por consequência da redução de 9,5% na área plantada e de 12% na área a ser colhida. Estima-se produção de 10,3 milhões de toneladas do grão, um recuo de 12% em relação ao ano passado.

Em 2020, safra deve ter novo recorde

O IBGE também divulgou que a safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas deve atingir um novo recorde de 240,8 milhões de toneladas em 2019, sendo 1% maior que a de 2017, com 2,4 milhões de toneladas a mais produzidas. O resultado também representa uma alta de 6,3% em relação à produção do ano passado.

O aumento foi puxado pelo milho que deve ter uma produção recorde de 100,2 milhões em 2019 (25,9 milhões de toneladas de milho na primeira safra e 74,3 milhões de toneladas de milho na segunda safra), o que representa um aumento de 23,2% frente a 2018. “Houve uma conjuntura de preços que incentivou o plantio do milho de segunda safra. O clima também se comportou de forma favorável”, comentou Barradas.

Outro grão que deve bater um recorde da série história do IBGE é o algodão. Na safra deste ano, a produção deve chegar a 6,9 toneladas, um aumento de 39,7% na relação com o ano anterior. Segundo o pesquisador do IBGE, o aumento no plantio do grão ocorre em função da melhora nos preços.

Por outro lado, a soja e o arroz, outros dois carros-chefes da produção agrícola nacional, reduziram a colheita. A estimativa do IBGE aponta para uma produção de 113 milhões de toneladas de soja em 2019, o que o que representa uma retração de 4,1% em relação ao ano passado. Já o arroz teve queda na produção por consequência da redução de 9,5% na área plantada e de 12% na área a ser colhida. Estima-se produção de 10,3 milhões de toneladas do grão, um recuo de 12% em relação ao ano passado.

“Os preços não têm incentivado o consumo de arroz em algumas áreas. Os produtores têm optado por usar a área para plantio de outras culturas, como a soja, por exemplo”, explicou Carlos Barradas.

A pesquisa estima ainda que, em 2019, a área a ser colhida será de 63,1 milhões de hectares, apresentando crescimento de 3,6% frente à área colhida em 2018, aumento de 2,2 milhões de hectares. Em relação ao mês anterior, a estimativa da área a ser colhida apresentou crescimento de 71,3 mil hectares (0,1%). O recorde anterior da produção fora de 2017, quando foram produzidas 238,4 milhões de toneladas.

Capacidade dos estoques cresce 3,5%

A Pesquisa de Estoques, também divulgada hoje pelo IBGE, mostrou que o total de capacidade útil disponível para armazenamento cresceu 3,5% no primeiro semestre de 2019, frente ao segundo semestre de 2018, totalizando 175,5 milhões de toneladas.

Em termos de capacidade útil armazenável, os silos predominam no país, com 84,7 milhões de toneladas, o que representa 48,3% da armazenagem nacional. Armazéns graneleiros e granelizados responderam por 66,7 milhões de toneladas, enquanto armazéns convencionais, estruturais e infláveis, somaram 24 milhões de toneladas de capacidade útil armazenável.

 

Fonte: IBGE

Leia também
Regional

Sede regional do SIMC (Serviço de Inspeção Municipal Consorciado – CIDES/SIMC) é inaugurada em Ituiutaba

O SIMC vem atender às exigências legais de inspeção dos produtos de origem animal. O selo de produto …

Há 2 semanas atrás - 34
Inauguração

Ituiutaba será sede do Sistema de Inspeção Municipal Consorciado (SIMC-CIDES)

Uma reunião técnica do Serviço de Inspeção Municipal CIDES – SIMC, foi realizada na última terça-feira (19/11), em …

Há 2 semanas atrás - 74
Agropecuária

Campanha de vacinação contra febre aftosa vai até sábado(30), veja

A segunda etapa da campanha de vacinação contra a febre aftosa será encerrada no sábado (30) em 25 …

Há 2 semanas atrás - 37